Por Pedro Fraga

A questão ambiental precisa ser abordada pelo governo brasileiro em diversas áreas. A educação básica, por exemplo, precisa ser revista para que as crianças possam ter em mente a importância da preservação do meio em que vivemos. Dessa forma, a medida funcionaria para prevenir danos futuros a fauna e a flora brasileira. Porém, é preciso instruir o maior número de pessoas possíveis, sejam elas adultas ou idosas.

Detentos são inseridos de volta a sociedade.

As secretarias estaduais de Administração Penitenciária do Rio de Janeiro e São Paulo decidiram tomar uma providência que afeta aspectos sociais, ecológicos e econômicos. Foram criados programas de reflorestamento em quinze unidades prisionais dos dois estados com a missão de conscientizar mais de 500 detentos, reinseri-los na sociedade com a profissão aprendida e, de quebra, ajudam empresas a compensar os danos causados a uma floresta, por exemplo, uma construtora que precisa derrubar uma área considerável de árvores para a construção de prédios. Dentro desse projeto, os detentos separam as sementes, plantam e cuidam das mudas até que elas atinjam o tamanho ideal para que sejam levadas aos locais de reflorestamento. Com isso, os detentos têm a possibilidade de ter um dia de pena reduzido a cada três dias trabalhados no projeto, e ainda ganham um salário para que seja retirado após o cumprimento da pena.

Essa medida é absolutamente válida porque os detentos precisam ser recolocados no mercado de trabalho após cumprirem a pena, e assim, são automaticamente inseridos de volta a sociedade.  Apesar do cunho social do projeto, a importância ecológica da política de reflorestamento é absolutamente necessária, e de acordo com o diretor do projeto, Paulo Franzine, esse é o melhor caminho para que os presos sejam recuperados e os biomas sejam preservados.

Detentos trabalham no plantio de árvores para projetos de reflorestamento.

‘’Além de trazer ganho ambiental, o trabalho ajuda na recuperação dos presos.’’ Diz o diretor. E ele completa: ‘’O detento recebe uma profissionalização, e isso pode gerar oportunidades de trabalho, além de agregar princípios sustentáveis para sua própria vida.’’.

Vamos torcer para que a ‘’moda’’ pegue em outros estados do país. Atualmente, um grande problema social que encontramos é a inserção de um ex-detento no mercado de trabalho, e com o projeto, esse problema pode ser corrigido adicionando idéias ecológicas na vida dessas pessoas.

Saiba mais sobre o projeto: Clique aqui