Por Mr.Fly

 

Nunca na história desse país se ouviu tanto falar em crise hídrica.
E como sempre na história do nosso país, a cada semana alguém passa a responsabilidade para outra pessoa.
E quem sofre, claro, somos nós: a população que, de mãos atadas, fica refém da má gestão generalizada.

Há muito sabemos da vulnerabilidade de recursos finitos.
E sabemos também que independente das políticas públicas, somos todos responsáveis pelo que o planeta nos oferece.

Mas a questão é um pouco complicada.

Sabemos que mais da metade dos recursos hídricos nacionais são destinados ao agronegócio.
Isso significa que o pouco que gastamos, ainda que de forma errada, representa uma parcela pequena dos valores reais que nos abastecem.

O problema todo é que, quando confrontamos essa realidade, a primeira reação das pessoas é a de se sentir no direito de poder gastar mais do que já se gastava.
O que não podemos deixar de lado é o fato de que apesar dos nossos representantes políticos serem responsáveis por essa má distribuição, a água é responsabilidade de todos.
E como recurso finito, um dia vai deixar de existir.
Ou, dificultar nossa vida com a sua escassez- como já tem ocorrido.

Tudo isso talvez seja mais um apelo: o de que ainda pode dar tempo.
De cobrar a de mudar a nossa forma de lidar com a natureza.

O agronegócio pode ser responsável por grande parte do uso da água, mas tudo que chega aos consumidores, precisa de água em sua produção.

 

É muito importante que paremos de reproduzir o discurso que isenta.
Precisamos colocar os pés nos chão.
Repensar a situação da água é repensar a nossa relação com tudo que nos rodeia, principalmente o consumo.

Ainda dá tempo.