Por Pedro Fraga

De vez em quando, um país absolutamente inexpressivo surge com alguma inovação ou estatística que nos leva a repensar a estratégia utilizada em nosso próprio país. Um índice de aumento na qualidade da educação, por exemplo, tem surgido em vários países asiáticos de pouca expressão, bem como alguns representantes africanos.
Atualmente, o país que gerou certa reflexão para este que vos escreve se chama Etiópia, e com todos os seus problemas e dificuldades serve de exemplo no quesito sustentabilidade. Entretanto, os gastos destinados a prática de uma vida sustentável não seriam melhores empregados se estivessem voltados para os problemas da população? Entenda.

Um projeto arrojado e que conta com as mais novas tecnologias. Este é o parlamento etíope, que será construído de acordo com todos os parâmetros internacionais de sustentabilidade, como uso de energias renováveis, métodos limpos de construção, entre outros. O projeto é uma parceria entre os estúdios Treurniet Architectuur, Michiel Clercx Architectuur, Addis Mebratu e S7 Architects, sendo considerado um dos maiores empreendimentos do país, rendendo prêmios voltados para projetos arquitetônicos e consciência ecológica.

O ambiente externo foi todo pensado para favorecer a interação entre os parlamentares e os cidadãos, com um local específico de encontro entre eles.  Veja uma foto do projeto:

1360731708--entral-circulation-528x372

Se tratando de um país como a Etiópia, que tem problemas estruturais gravíssimos, é curioso entender que a preocupação com o meio ambiente ainda consegue ser colocada em primeiro plano. O país ainda tem no turismo uma fonte de riqueza e perspectiva de mudança, mas que não supre as necessidades e nem se aproxima do padrão aceitável. A fome que ainda assola boa parte da população do país preocupa a comunidade global, assim como o saneamento básico extremamente problemático, que, ocasionalmente, traz de volta alguma doença aparentemente extinta. O modo de vida abaixo da linha da pobreza gera um contraste absolutamente aterrorizante com o moderno e ecológico parlamento etíope. Quase cinco milhões e meio de pessoas vivem sem comida, água e saneamento básico na Etiópia.

A discussão em torno da construção do projeto é muito grande, justamente pelo investimento que será feito em algo que só irá beneficiar a população a médio e longo prazo. É absolutamente importante que se construa um prédio com esses objetivos. As leis precisam ser criadas e votadas, e assim a população se beneficia.
Porém, não seria mais prudente, então, se essa mesma população tivesse condições mínimas para se alimentar, cuidar da saúde e estudar para que pudessem entender qual a real finalidade daquele prédio?

size_590_etiopia-600-wiki

Aparentemente, o governo etíope e eu temos definições diferentes de ‘’prioridade’’.

Leia sobre o projeto do parlamento etíope, clicando aqui.
Obs: O artigo está disponível em língua inglesa.