Por Mr.FLy

Que o Ronaldo Fraga é um artista sensível e talentoso, estamos cansados de saber.
Atual e preocupado com causas sociais e ambientais, a cada ano nos surpreende
com abordagens mais inteligentes e conscientizadoras.

O universo da moda é imenso e abriga diferentes perfis envolvidos.
E a problemática levantada pela cadelinha, em seu desfile na São Paulo Fashion Week Inverno 2015
afetou diretamente boa parte desse publico: não podemos negar.

 

Ação promovida pelo Projeto Esperança Animal.

Ação promovida pelo Projeto Esperança Animal

A abertura do desfile contou com a participação inusitada de uma cadelinha, em ação da campanha promovida pelo PEA.

A comercialização constante das relações atrelada às nossas rotinas corridas e influenciadas pelos nossos objetos de desejo,
nos leva aos objetos de consumo.
E infelizmente, hoje em dia, não objetos também se incluem nessa categoria final.
O que vemos é um movimento constante de descarte e abandono aos animais, que enchem as ruas
e são empilhados em abrigos, muitas vezes, sem as condições necessárias.

A questão  levantada pelo estilista é séria e acaba por questionar o sistema em que vivemos, amamos e sofremos.
E trouxe muita polêmica por muita gente ter se sentido diretamente ofendida.
Talvez não tenhamos consciência real de como mercantilizamos as nossas relações.
Até porque, respeitar os animais não tem espécie ou gênero: todos merecem respeito e não é isso que questionamos.
Mas optar por construir relações sustentáveis é uma forma de ajudar o planeta.
De amar ao próximo.
De cuidar da casa.
A Mr.Fly acha essa iniciativa louvável e apoio essa ideia, definitivamente.
Não achamos que quem compra seus animais seja uma pessoa fútil.
Só acreditamos que talvez, não tenha tido tempo de pensar e analisar os fatos de forma crítica.
E que esse discurso seja uma bela ocasião para debatermos a causa animal em nosso país.
Não só os abrigos como também os criadouros.
Chegamos em um ponto  onde as pessoas pagam mais de 1000 reais por um amigo.
E talvez nem limpem seus dejetos nas ruas, por onde passeiam.

Chegou a hora de repensarmos nossas relações.
Chegou a hora de retribuirmos um pouco ao amor que nos é dado.