Mr. Fly l Moda Sustentável - peças ecológicas e conteúdo consciente

A sustentabilidade e a gestão de riscos

17311498_10207715184348625_1559905278_o

 

 

 

A nova versão da ISO9001 e 14001 pode ser uma grande mudança comportamental das organizações frente as questões principalmente ambientais, no que diz respeito aos riscos do negócio

 

Vivemos em uma sociedade de risco e, assim sendo, cabe a nós gerenciarmos esses riscos, sejam eles de aumento de custos, perda de mercado, penalizações ou multas, por exemplo.

O que muda, portanto, é nossa forma perante o risco. Ou seja, é fazer do risco uma oportunidade para crescer, transformar a ineficiência em ecoeficiência, a perda de mercado com aumento do mercado, e isso é função da sustentabilidade corporativa.

Segundo Ricardo Yong do Instituto Ethos, sustentabilidade corporativa cria valor para a organização, através do aproveitamento das oportunidades e do gerenciamento dos riscos, sempre com vistas ao tripé social, econômico e ambiental.

Se pensarmos na evolução da gestão ambiental, vamos desde a negação, onde o meio ambiente não é importante, o que importa é produzir, passando pela fuga, onde a poluição é um fato da vida e os clientes pagam os custos, a ambivalência, onde se acredita que o meio ambiente é importante, mas não cabe a nós a solução do problema, até chegarmos ao comprometimento, onde todos devem se esforçar para melhorar o meio ambiente e a pro atividade onde devemos fazer o que tiver de ser feito.

 

Resultado de imagem para sustentabilidade

Mas para chegar à fase do comprometimento e a pro atividade, tivemos que passar por algumas fases de “pressão regulatória” e necessidade do cumprimento legal, principalmente com a criação da lei de crimes ambientais, instituída pela Lei n. 9605, em 1998.

Sustentabilidade hoje é oportunidade, mais do que solucionar problemas ou cumprir leis, sustentabilidade é para inovar e obter lucros.

Ainda de acordo com Yong, as empresas ditas sustentáveis possuem quatro pontos em comum: todas possuem um líder que acredita no conceito e enxergam o tema sob a ótica da oportunidade e não do risco, inseriram os valores sustentáveis nas estratégias de negócio, e educam para inovar.

E essa tal de sustentabilidade nada mais é do que implantar os conceitos da gestão integrada ao meio ambiente, qualidade, saúde e segurança no trabalho e responsabilidade social ao negócio.

Se pensarmos hoje em indicadores de sustentabilidade, teremos:

AMBIENTAIS

Emissões: locais e globais

Geração de Efluentes e de Resíduos

Uso de recursos naturais

Riscos ambientais

SOCIAIS (perceptividade)

Qualidade de vida: acesso a bens, saúde e conforto

Empregabilidade e características da ocupação e renda

Receptividade de ações

ECONÔMICOS

Custos e preços

Riscos de mercado

Consumo de matérias primas e demais insumos energéticos ou não energéticos

Legislação

Todos os indicadores são trabalhados dentro de uma gestão que envolve a análise de riscos não só ambientais, mas de saúde e segurança e que podem impactar de forma drástica nos fatores econômicos de uma organização.

 

Resultado de imagem para sustentabilidade empresarial

Em 2015 foi publicada a nova versão das normas NBR ISO14001 e NBR ISO9001, e com essa nova versão, as organizações não só passam a gerenciar o risco em todas as fases de implantação das normas, mas reconhecem que as questões ambientais e de qualidade fazem parte do negócio, sendo traçados já em seu planejamento estratégico.

A nova versão da ISO9001 e 14001 pode ser uma grande mudança comportamental das organizações frente as questões principalmente ambientais, no que diz respeito aos riscos do negócio. Se observamos os grandes acidentes da história, como em Chernobil, Minamata, Bhopal, Goiânia, Cubatão e o mais recente triste acidente em Mariana, podemos dizer que houve sim uma falha de análise de riscos ambientais ao negócio, que talvez poderiam ser evitados com uma sustentabilidade corporativa.

 

 

 

TRANSFORME CÁPSULAS DE CAFÉ USADAS EM LUMINÁRIA FIO DE LUZ

17200709_10207715142067568_579725400_o
Num não tão distante Dia das Mães, demos de presente para minha Tia uma cafeteira Dolce Gusto .
Além de arregar constantemente chococinos deliciosos na mesa de café ela despacha também um copinho de plástico maciço que fica sem lugar pra ir se não para o lixo.
As cápsulas não podem ser reciclados facilmente porque eles são muitas vezes feitas de uma mistura de plástico e alumínio.

A complexidade da embalagem – muitas vezes uma mistura de diferentes materiais – combinado com a borra de resíduos orgânicos de café moído não utilizado sentado na parte inferior do pod os torna difíceis de processar em fábricas de reciclagem municipais padrão.

Enquanto não conseguimos solucionar as questões acerca da reciclagem e o descarte das cápsulas de café, nossa saída será diminuir a quantidade dessas a ir para os depósitos de lixo.
E como a gente não precisa de desculpa pra fazer arte, a gente vai fazer aqui um passo a passo pra transformar essas nova mini vilãzinhas  em algo bonito e decorativo para sua casa!

O resultado da empreitada foi um fio de luz fácil demais de fazer e bem econômico só comi coisas que já se tem em casa: tintas que já você já tenha comprado pra outros projetos, pisca-pisca que tava guardado há tempos e as próprias cápsulas, que, vendo o vídeo vocês vão ver, parece que nasceram pra fazer companhia às luzinhas.